Razão e impulso

Sempre que alguém me diz “fiz o que o coração mandou” eu entendo que aquela pessoa é fraca em seu auto-controle. Oras, “coração” aí é na verdade impulso – tudo o que fazemos por impulso justificamos com emoções, com o coração. Impulso de querer algo que julgamos bom e nem sempre é, essa é a verdade. Mas… tão ruim quanto seguir apenas o coração é seguir apenas a razão – e bem mais chato.

Equilíbrio. Não separe razão e “coração”.

Acho lindo, na verdade, o ato de impulsividade que faz com que lutemos por algo. Mas… pouca coisa funciona por impulso. Se a pessoa age contra a própria preservação – que a razão mostra -, oras, o impulso não é bom. É como pular de uma ponte porque queremos a sensação de liberdade e a adrenalina e toda a emoção gostosa do momento, mas lá embaixo tudo acaba.

Também acho justo racionalizar as decisões da vida, pesar e pensar nos aspectos e consequências. Por si só parece que isso é limitador. Mas atenção: a razão não é limitadora. Ela apenas diz: “ei, psiu… use uma corda elástica amarrada em você antes de pular. Por segurança”.

Há uma expressão inglesa, white knuckles (o ato de cerrar os punhos até o sangue parar de circular), usada para denotar apreensão, tensão, medo… Cabe aqui. Relaxe, solte as mãos, encare as coisas sem desculpas. Talvez não seja tão ruim.


Ok Go – White Knuckles

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s